Obras: gestos concretos da fé

Possivelmente, você já ouviu/leu esses trechos da Bíblia:

“[…] o homem é justificado pela fé sem as obras da lei” Romanos 3.28,
“[…] o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé.” Tiago 2.24

Há um grande debate doutrinário em torno da questão da justificação pela fé ou pelas obras, mas já deixo claro que não quero me apegar a isso. Quero mostrar a importância de uma e de outra para a santificação da humanidade.

Temos nas passagens de Romanos e de Tiago as perspectivas da justificação para Paulo e para Tiago, respectivamente. Porém, é necessário observar que o contexto em que eles estavam pregando é diferente! Em Romanos 3, o apóstolo Paulo explica primeiramente sobre a condição deplorável do homem pecador, tanto judeu quanto gentio, e que os dois povos estão igualmente debaixo do pecado, portanto, condenados de igual forma (Rm. 3.1-20). Diante da lei todos são pecadores, mas, pela graça de Deus, sem que haja um tratamento diferenciado para com o judeu ou para com o gentio, todos os que creem em Jesus Cristo, pela fé, conhecem a justiça de Deus (Rm. 3.21-24). Assim, percebemos que Paulo ensina que a salvação pela fé exalta Deus por Ele ser justo e justificador daqueles que acreditam em Jesus (Rm. 3.26). Paulo nos mostra que Deus ama os seus filhos a ponto de não olhar  suas misérias, mas, sim, a sua fé.

Tiago, porém, tem outro foco. Ele centra sua pregação no fato de que os baizados comprovam a sua fé por meio das obras de obediência à Palavra de Deus. Na passagem em questão, Tiago está falando aos “irmãos” (Tg 2,1), ou seja, aos batizados, que conhecem e creem no Cristo, sobre a vivência da sua fé. Ele relembra que Deus salva mais pobres do que ricos (Tg 2, 5-7) e, além disso, que devem amar o próximo como a si mesmos (Tg 2, 8-13). Logo, enfatiza que os salvos comprovam a sua fé pelas obras de obediência.

Mas, o que quero dizer com tudo isso? :

Paulo e Tiago não se contradizem; eles se completam. A fé é a raiz da salvação; as obras são seu fruto; a fé é o instrumento da salvação; as obras são a sua consequência. Somos justificados pela fé, mas não somente pela fé. Assim, não dá para dizer que temos fé, se esta fé não gera em nós um desejo de ajudar aquele que precisa. Não é possível uma pessoa que afirma ser cristã não realizar obras por acreditar que já está justificada. A fé sem obras é morta (Tg 2, 26).  Não digo isso apenas com relação a se salvar ou não; digo com relação ao próximo que poderá não ser salvo pelo nosso “egoísmo cristão”. Não adianta muito afirmar que temos fé, se estas não se traduzem em gestos concretos, em gestos de amor.

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada. I Coríntios 13, 1-2

Precisamos parar de dizer quando vemos um irmão necessitado: “Coitadinho dele! Vou rezar por você irmão”! Será que nós não podemos fazer NADA para ajudar?! Eu já perdi as contas de quantas vezes fui visitar,com o intuito de evangelizar, pessoas que estavam sofrendo e, no final, eu que saí evangelizada por elas! Orar pelo outro é importante? Sim! Mas não podemos estacionar nesta parte cômoda da fé.

É incrível como a nossa natureza corruptível nos leva a nos aproveitar de forma egoísta até da caridade. Quantas vezes nós fazemos algo pelo outro esperando ganhar pontos para a NOSSA salvação. Isto é uma mentalidade pregadas em muitas igrejas e faz com que não valorizemos o ato em si, mas o benefício que ele nos trará. Deste modo, o meu ajudar não é porque o outro precisa ir para o céu, mas porque eu preciso ir para o céu. Nossas ações são motivadas por amor a Deus, mas não exclusivamente.

Eu te convido a orar pela vida das pessoas, mas também a se mover para ajuda-las. Sua oração pode saciar a fome espiritual, mas a fome material machuca a carne. Não podemos esquecer que somos um só corpo em Cristo, “se um membro sofre, todos os membros padecem com ele; e se um membro é tratado com carinho, todos os outros se congratulam por ele”. I Coríntios 12, 26

A Caridade sem fé é filantropia, mas a fé sem obras é morta. Aqueles que creem praticam boas obras. Não fomos salvos pelas obras nem pela fé somada às obras. Fomos salvos pela fé através das boas obras.

“Quanto a nós, é espiritualmente, da fé, que aguardamos a justiça esperada. Estar circuncidado ou incircunciso de nada vale em Cristo Jesus, mas sim a fé que opera pela caridade” Gálatas 5, 5-6

Paz e Bem!

Referência

Devocional Cada Dia – Hernandes Dias Lopes
http://www.bibliacatolica.com.br/
http://www.palavraprudente.com.br/estudos/calvin_d/miscelania/cap39.html

https://igrejamilitante.wordpress.com/2012/04/03/catolicos-sao-justificados-pela-fe-nao-pela-fe-somente/.

http://www.veritatis.com.br/doutrina/fe-e-obras/fe-e-obras

Rosana Santos

24 anos, cristã católica, advogada, mineira de coração, em busca de Cristo eternamente. "O amor supera a justiça. Justiça é dar ao outro o que é dele, Amor é dar ao outro o que é meu". Joseph Ratzinger

Comentários no Facebook