“Vixe, ele virou crente, não pode fazer mais nada agora. Vai virar um chato.”

Uma das coisas que sempre voltam nas minhas lembranças quando paro para pensar na minha trajetória cristã é em como ela mudou desde que me entendo por gente. Mudou para melhor e meu conceito de Cristianismo também evoluiu junto com a minha idade, quando criança aprendi que ser crente era apenas usar saia comprida e ser assidua nos projetos da igreja, quando adulta aprendi a diferenciar ser crente de ser cristão sem colocar doutrinas humanas dentro do balaio. Vou explicar e espero que compreendam o que quero dizer.

Este texto não tem a pretensão de apontar erros doutrinários de qualquer denominação, pelo contrário, gostaria de ajudar você a entender a diferença entre ser Legalista e ser Obediente, pois é a partir daí que chegaremos a uma base de Cristianismo. Sempre estivemos presos à dogmas, doutrinas antibiblícas e, inconscientemente, somos condicionados ao legalismo. Os novos convertidos podem concordar comigo que no início de sua nova vida ouviram de alguém, pelo menos uma vez, a seguinte afirmação: “Vixe, ele virou crente, não pode fazer mais nada agora. Vai virar um chato.” Como se a vida com Cristo fosse só amarras, esquecendo justamente que Cristo nos livrou da pior das prisões, da pior das condenações que um ser humano pode querer, Cristo nos libertou, somos livres agora! Entretanto, o legalismo traz de volta o acorrentamento, coloca as regras acima de Deus e leva as pessoas a acreditarem que o cumprimento de certas regras impostas por homens os torna merecedores da salvação. Legalistas estão errados. Você não pode usar a Lei para ser salvo. Você não pode guardar os mandamentos como forma de justificação porque ninguém faz só o que é certo e nunca peca (Ec 7:20). A Lei apresenta o nosso pecado, mas não pode nos salvar. Ela somente nos faz conscientes de nossa necessidade (Rm 7:7).[1]

Lembro claramente o quanto meus pais eram presos a essas regras e como eu cresci tendo isso como cristianismo. Um dos episódios foi o seguinte: Minha mãe era agente de saúde e fazia visitas nas residências, ela tinha que andar o dia todo na rua, o uniforme dela era calça e a igreja proibia veementemente mulheres usarem calça. Resultado, minha mãe passou trabalhando na casa de uma irmã da igreja e no culto seguinte ganhou uma “disciplina” (uma forma de punição que proíbe o membro de participar das coisas na igreja, inclusive a Santa Ceia). Além da calça, éramos proibidas de cortar o cabelo, furar a orelha, usar maquiagem etc,. Os homens não podiam usar short, tomar cerveja e ninguém podia ouvir música “do mundo”. As pessoas viviam com medo, não do pecado em si, mas do pastor. Elas temiam mais a disciplina da igreja do que a ofensa verdadeira contra o Senhor. Cometiam pecados bem maiores contra Deus em seu coração, mas se preocupavam com coisas tão pequenas que desagrava o líder humano. Essas atitudes sim podem causar a condenação eterna, isto não é ser Cristão, isso é idolatria.

O legalista vive tão obcecado por seguir leis que vive se comparando aos mais pecadores que ele, enquanto o cristão vive buscando ser servo de Cristo, reconhecendo seu pecado e obecendo a Cristo, assim como vemos em Lucas 18: 11-14:

“O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano; jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho. O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado.“

Em Mateus 12:9-12 podemos observar a tentativa de acusar Jesus por desobecer uma lei:

 “Partindo dali, entrou Jesus na sinagoga deles. E eis que estava ali um homem que tinha uma das mãos atrofiadas; e eles, para poderem acusar a Jesus, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? (Claro que eles queriam que Jesus dissesse ‘Sim’ para poder prendê-lo). “E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que, tendo uma só ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não há de lançar mão dela, e tirá-la? Ora, quanto mais vale um homem do que uma ovelha! Portanto, é lícito fazer bem nos sábados.”

É importante enfatizar que ser legalista é totalmente diferente de ser obediente. Cristãos têm como princípio básico ser obedientes aos mandamentos de Deus e não ignorarem a Lei. Não guardamos a Lei para sermos salvos. Pelo contrário, ao guardar a Lei mostramos a nós mesmos que já recebemos a salvação por meio da cruz de Cristo. À luz da cruz de Cristo e da libertação do pecado, que recebemos, somos agora livres para guardar a Lei (Gl 4:31).

Assim, nós vemos o grande abismo entre o que signifca ser legalista (guardar a Lei para a salvação) e obediente (guardar a Lei porque fomos salvos). Nós precisamos da Lei para mostrar o nosso pecado. Nós precisamos da Lei para nos dirigir à justiça. Nós precisamos dos mandamentos de Cristo que estão distribuídos por toda a Escritura para alcançar nossa santificação e santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor (Hb 12:14). [2] 

Paulo, aconselha Tito acerca dos cuidados que deveria tomar, e acredito que isso nos ajuda a entender melhor:

Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e enganadores, principalmente os da circuncisão,
Aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância.
Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos.
Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé.
Não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos de homens que se desviam da verdade.
Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados. Tito 1:10-15

Diante disso podemos descansar olhando para Cruz de Cristo, valorizando o Seu sacrifício para nos salvar e nos libertar, entendendo que é somente através dEle que temos garantia de Salvação pela Graça que nos foi concedida, pois pela graça somos salvos, por meio da fé, e isto não vem de nós é dom de Deus. Não vem por obras para que ninguém se glorie. [Ef 2:8-9]

 

Graça e Paz.

Karolaíne Ferraz

25 anos, Sul-mato-grossense, Cristã Protestante, Calvinista, mãe da Valentina, professora de Língua Portuguesa e Literatura numa escola pública. Defende a feminilidade e sonha com uma família dentro dos princípios bíblicos. "Seja boa, doce menina, e não se esqueça de ser a mais inteligente que puder" - C. S. Lewis.

Comentários no Facebook